• Lab
  • AndroidForMobile Foundation at
    HOME
              
    LATEST STORY
    Bad news from Mashable, BuzzFeed, and Vice shows times are rough for ad-supported digital media
    ABOUT                    SUBSCRIBE
    Aug. 2, 2017, 3:25 p.m.
    Aggregation & Discovery

    Novo site mede o nível de liberdade de imprensa na era Trump

    Em 2017, o site identificou 19 prisões, 12 apreensões de equipamentos, 11 casos de agressão física e 4 censuras.

    Donald Trump já diversas vezes à mídia de notícias como a “grande inimiga do povo americano”. Em maio, o representante da Montana House Greg Gianforte o jornalista Ben Jacobs, de The Guardian, por fazer uma pergunta. Em julho, repórteres foram obrigados a excluir fotos e vídeos de uma manifestação, onde pessoas contra o “Trumpcare” foram presas em um corredor do Senado.

    Parece que a liberdade da imprensa norte-americana diminuiu nos últimos 6 meses, desde que Donald Trump assumiu o cargo de presidente. Porém, o novo site , lançado em 2 de agosto, mostrar se a situação é tão ruim quanto parece. O portal “pretende ser o 1º a fornecer informações confiáveis e legítimas sobre o número de violações da liberdade de imprensa sofridas nos Estados Unidos –desde jornalistas enfrentando acusações a repórteres barrados na fronteira dos EUA ou que ouviram ordens para entregar seus equipamentos”.

    O site é independente da Fundação de Liberdade de Imprensa e tem 20 parceiros, incluindo Comitê de Proteção ao Jornalista (Committee to Protect Journalists/ CPJ), Repórter sem Fronteiras (Reporters Without Borders) e outros. Greg Gianforte, citado anteriormente, teve que pagar US$50,000 para o Comitê de Proteção ao jornalista para cumprir um acordo. O dinheiro ajudou a fundar o Apurador Norte-americano de Imprensa Livre.

    “Queríamos visualizar o que poderíamos apurar quantitativamente”, disse Peter Sterne, co-editor e ex-repórter do Politico. “As prisões, as censuras e as apreensões de equipamentos são dados que podem ser arquivados agora e futuramente, para que possamos observar pioras e -esperançosamente- melhoras”.

    Em seu lançamento, a página online apurou violações contra o ofício jornalístico que ocorreram desde 1º de janeiro deste ano. Para essa retrospectiva, Sterne pesquisou e verificou, de forma independente, relatórios já publicados. Ele espera que a maioria das dicas venha de organizações parceiras e dos próprios repórteres.

    O U.S. Press Freedom Tracker classifica os atos em: prisão, proibição de acesso, caso de fuga, dano ou confisco de equipamento, ataque físico e outros. Os visitantes podem filtrar os casos em todas essas “categorias” e visualizá-las separadamente. Também é possível filtrar episódios por meio da localização, nome do repórter agredido ou por outros diversos meios. Os filtros são úteis se alguém quer tentar descobrir a condição dos repórteres que são censurados, disse Sterne.

    Em 2017, o site identificou 19 prisões, 12 apreensões de equipamentos, 11 casos de agressão física e 4 censuras.

    Também há espaço para filtros mais ‘qualitativos’: negação de acessos, declarações e fatos que “não podemos contar de forma abrangente porque é subjetivo“, disse Sterne. “Estamos tentando ser representativos e dizer que há alguns incidentes que podem nos dar uma idéia do que está acontecendo agora. Não é algo que procuramos contar quantitativamente e comparar ao longo do tempo. Mas sempre que há um incidente que, no meu julgamento editorial, diz algo sobre o estado da liberdade de imprensa nos EUA, é algo que queremos incluir no site”. O do site também mostra relatórios, alguns dos quais são mais qualitativos, de organizações parceiras.

    Apesar de o site divulgar relatórios anuais, seu objetivo principal é “ser uma fonte diária de dados, que podem ser consultados a qualquer momento”, disse Sterne. “Sou um jornalista. Minha esperança é de que, a qualquer momento, eu consiga ter acesso à informação rapidamente”. Isso inclui casos que o site está rastreando, com acusações verídicas ou com acusações sendo descartadas. “A esperança é que os jornalistas, advogados e funcionários públicos possam consultar o status atual de um caso“.

    As pessoas querem saber se a liberdade de imprensa dos EUA é pior na administração de Donald Trump do que nos anos anteriores. Porém, é muito cedo para dizer, de acordo com Sterne. Os dados anteriores ao ano de 2017 não estão sendo incluídos pelo Tracker devido à dificuldade de conseguir tais informações de forma abrangente e precisa.

    “A minha preocupação é que, se tentássemos coletar dados de anos anteriores, pode parecer artificialmente baixo e pareceria ter piorado ainda em 2017, quando na verdade era apenas um artifício da coleta de dados”, disse Sterne. “É por isso que não estou disposto a tirar conclusões. Em 1 ano –ou talvez em 2 anos– poderemos olhar para trás e dizer: tudo bem, houve muitas detenções em 2017. Quantos havia em 2018?”.

    Translation by . This article was originally published in English here.

    SCREENSHOT OF A EDITED TO SHOW HIM WRESTLING WITH CNN.

    POSTED     Aug. 2, 2017, 3:25 p.m.
    SEE MORE ON Aggregation & Discovery
    SHARE THIS STORY
       
    Show comments  
    Show tags
     
    Join the 45,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
    Bad news from Mashable, BuzzFeed, and Vice shows times are rough for ad-supported digital media
    The rapid growth of Google and Facebook continues to take its toll on digital media companies.
    Asking members to support its journalism (no prizes, no swag), The Guardian raises more reader revenue than ad dollars
    The Guardian revamped its ask and its membership offerings — moving from 12,000 members in the beginning of 2016 to 300,000 today.
    Beating the 404 death knell: Singapore news startups struggle to cover costs and find their footing
    Political news reporting doesn’t seem to be holding up well as a business in the city-state. And it’s even harder when you’re seen as “alternative” media.