• Lab
  • AndroidForMobile Foundation at
    HOME
              
    LATEST STORY
    Can signing a “pro-truth pledge” actually change people’s behavior online?
    ABOUT                    SUBSCRIBE
    Aug. 29, 2017, 11:52 a.m.
    Reporting & Production

    BuzzFeed faz parceria com site para ampliar a cobertura sobre a Rússia

    “Do nosso lado, há um enorme interesse na Rússia que não se era visto desde a Guerra Fria”.

    Você deve ter notado: está em alta hoje em dia o interesse em notícias russas e sobre a Rússia.

    “Em 2016 e 2017, por motivos que tenho certeza serem óbvios, houve um pico no interesse em notícias vindas da Rússia pelos Estados Unidos”, disse Ivan Kolpakov, editor-chefe do .

    “Em questão de audiência, eu acredito que histórias da Rússia estão quentes agora e não se tem uma grande quantidade de apuração vinda de lá”, disse a editora de Internacional do BuzzFeed, Miriam Elder. Elder foi chefe da sucursal do Guardian em Moscow. “Do nosso lado, há um enorme interesse na Rússia que não se era visto desde a Guerra Fria”.

    Então, o BuzzFeed News está aumentando sua cobertura sobre a Rússia com uma parceria com o veículo online letão Meduza, que cresceu rapidamente desde seu lançamento, há menos de 3 anos. (Elder disse que este não é necessariamente o 1º passo para um site completo sobre a Rússia para o BuzzFeed, é para a Alemanha).

    A parceria é editorial e os recursos serão concentrados em investigações conjuntas. Segundo Kolpakov, o BuzzFeed paga pelas apurações que comissiona com o Meduza, embora os sites troquem notícias e o Meduza traduza ocasionalmente notícias de sua escolha do BuzzFeed, gratuitamente. Outras trocas: um repórter do Meduza ficará na redação do BuzzFeed por uma semana para absorver o fluxo de trabalho do BuzzFeed; Um repórter do BuzzFeed irá na conferência anual do Meduza. Elder citou as apurações do cibernéticas russas como um tópico que interessa aos dois veículos.

    “O BuzzFeed tem sido um modelo para nós em muitos jeitos, tanto em questão de produto e estrategicamente”, disse Kolpakov. (Desde os seus primeiros meses de existência, o Meduza tem acompanhado o crescimento do BuzzFeed, e está interessado em uma parceira mais substancial. Trabalhou o com o veículo no passado informalmente em várias exclusivas e Kolpakov foi convidado no podcast do editor-chefe do BuzzFeed, Ben Smith, no mês passado). “Enfrentamos uma série de problemas que o BuzzFeed enfrenta, o que é mais importante no que diz respeito a manter a presença da marca em múltiplas plataformas, produção de vídeo e novos formatos, comunicações internas e a convergência de notícias hard e jornalismo de entretenimento, publicidade nativa, dentre outros. Honestamente, eu acredito que o BuzzFeed tem sido mais um modelo para nós do que qualquer outro veículo”.

    “Nossa história era conhecida no Ocidente, mas não o nosso produto real ou a qualidade do nosso jornalismo”, acrescentou. (Meduza nasceu de uma interferência do Kremlin no site russo Lenta.ru. Vários funcionários do Lenta.ru se mudaram para a Letônia, a salvo da interferência editorial russa e lançaram o Meduza).

    Ambos os lados estão interessados em crescer a audiência global interessada em histórias russas. O BuzzFeed não oferece informações dados sobre os visitantes únicos de cada por país, mas sabe-se que mais da metade dos visitantes mensais únicos do site vêm de fora dos EUA. (Ele publica atualmente conteúdo em espanhol, português, japonês, francês, alemão e russo). Um quarto dos leitores do Meduza –que também tem um – vem de fora da Rússia.

    O Meduza está interessado especificamente em criar sua base de assinantes para sua newsletter em inglês, que tem como alvo leitores interessados na Rússia e em países pós-soviéticos, mas que “não lêem em inglês fluentemente”.

    “Adicionalmente, este é um jeito para que nossos repórteres e editores alcancem um público totalmente novo. Eu não acredito que nossas expectativas vão além disso”, disse Kolpakov. “É um mercado inteiramente novo e é o mercado mais interessante do mundo. E, claro, seria ótimo se pudéssemos mostrar que a Rússia tem jornalismo de qualidade e que a Rússia não é apenas Putin e hackers, mas diversas outras coisas assustadoras, surpreendentes, e divertidas”.

    The Portuguese version of this story was first published in . Translation by .

    POSTED     Aug. 29, 2017, 11:52 a.m.
    SEE MORE ON Reporting & Production
    SHARE THIS STORY
       
    Show comments  
    Show tags
     
    Join the 45,000 who get the freshest future-of-journalism news in our daily email.
    Can signing a “pro-truth pledge” actually change people’s behavior online?
    Plus: Fake audio on WhatsApp in India, and do paywalls lead to increased polarization?
    What a 2004 experiment in hyperlocal news can tell us about community voices today
    Can a community news platform serve as “technology that protects our minds and replenishes society”?
    Is there a big enough global audience interested in China to sustain the South China Morning Post’s ambitious new sites?
    With its new verticals Abacus and Inkstone and another on the way, the century-old newspaper is trying to use Alibaba money to build products that both reach a global audience and feel mobile-native.
    читайте здесь www.nl.ua

    www.www.profvest.com

    подробно nissan-ask.com.ua